Organização da Igreja


Primado e Episcopado

 

   Jesus Cristo instituiu a Sua Igreja sobre o fundamento dos Apóstolos (Ef. 2, 20) escolhendo doze à maneira de colégio ou grupo estável (Lc. 6, 13) com poderes especiais (Mt. 18, 18). A um em particular, Simão Pedro, constitui a Rocha da Sua Igreja, prometendo-lhe as “chaves do Reino” e amplos poderes (Mt. 16, 18-19) e a ele, após a Ressurreição, confere o Primado sobre todo o rebanho da Igreja (Jô, 21, 15-17).


  
No Pentecostes (50 dias depois da Páscoa), Maria estava junto aos apóstolos rezando com eles, fortalecendo-os e alimentando sua esperança. Após a descida do Espírito Santo em Pentecostes, a Igreja inicia sua atuação como missionária para proclamar o Reino de Cristo até os confins da terra (At. 1, 8). Veja bem: a Igreja nasce com o sim de Maria, consolida-se com o sacrifício de Jesus na cruz, e começa a atuar através dos apóstolos após o Pentecostes. 


  
A atuação dos apóstolos e discípulos de Jesus, a partir de Pentecostes, consiste em:


  
1º) Pregar o Cristo Ressuscitado: os apóstolos iniciam a propagar o grande anúncio: “Jesus, que foi crucificado, está vivo e por isso Ele é o Cristo, o Senhor”. Esta era a Boa Nova (Evangelho) anunciada e testemunhada pelos Apóstolos.


  
2º) Celebrar o Batismo: todos aqueles que estavam dispostos a aderir ao Cristo vivo e ressuscitado eram batizados. Pelos testemunhos do primeiro século de cristianismo, sabemos que, aos poucos, os candidatos ao batismo eram longamente preparados, através de um curso chamado Catecumenato e os batizados eram sempre celebrados na noite de Páscoa.

  
3º) Formar comunidades: havia uma consciência muito clara de que o batizado deveria estar inserido em uma comunidade. A partir da convivência com Jesus, os apóstolos sabiam que não existe “cristão avulso”, isto é, que não pertença a nenhum grupo ou comunidade. 
Portanto de instituição divina são apenas o Episcopado e o Primado do Papa. É pela conservação dessas instituições que o catolicismo se legitima como Igreja de Jesus Cristo. 

  
Só ela recebeu de Cristo o mandato e os meios de levar os homens à felicidade eterna, mandato, este, expresso nas passagens bíblicas sobre o primado de São Pedro, onde se lê: “Tu es Petrus, et super hanc petram aedificabo Ecclesiam meam”. (Mt. 16, 18).

  
Instituição e continuidade do Episcopado.
(Convocando os Doze, deu-lhes poder e autoridade sobre os demônios, assim como poder de curar as doenças. E os enviou a proclamar o Reino de Deus e curar os doentes. Luc. 9, 1-2) 

  
À testa da Igreja primitiva estão os apóstolos, sob a chefia de São Pedro. Os apóstolos recebem jurisdição, não da comuna, mas do próprio Cristo. Apóstolo quer dizer “mensageiro”. Nas antigas comunas cristãs existiam, também, mensageiros que, com a devida legitimação, faziam o serviço de estafetas entre as várias igrejas.


  
Os apóstolos, porém, são mensageiros de Cristo. Não dos homens, mas de Jesus Cristo e de Deus Pai é que São Paulo diz ter recebido a sua missão (Gál. 1, 12; Cor 5, 20). O primeiro requisito para a missão apostólica não eram os carismas mas a missão recebida em nome de Cristo. Representantes que são de Cristo, devem prosseguir com a obra de Cristo: “Assim como o meu Pai me enviou, eu vos envio a vós” (Jo 20,21). Cristo envia-os com a incumbência de continuar a sua obra: “A mim foi dado todo o poder, no céu e na terra. Por isso, ide e ensinai a todos os povos” (Mt 28, 18). E Cristo, por sua vez, toma como própria a missão dos apóstolos: “Quem vos ouve, a mim me ouve. Quem vos repele, a mim é que repele” (Lc 10, 16). 


  
Os apóstolos instituíram quem lhes sucedesse, sagrando Bispos pela imposição das mãos e pela oração, exortando-os: “Atendei por vós e por todo o rebanho, sobre o qual o Espírito Santo vos instituiu Bispos, para governardes a Igreja de Deus” (At 20, 28).


  
A continuidade do apostolado também se deduz, necessariamente, da missão que cabe à Igreja, de transmitir à humanidade inteira as graças da redenção. Portanto, até a consumação dos séculos deve haver “mensageiros de Cristo” que perpetuem a sua obra e administrem os seus mistérios: “Eu estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (Mt 28, 20).


O Primado Papal.



  
Diz-se primado (do latim, primeira sede) para indicar o ofício de Pedro como chefe dos Doze e, como conseqüência, de toda a Igreja. O primado de Pedro foi transmitido aos seus sucessores, ou seja, ao Papa, como Bispo de Roma, pois foi a Igreja fundada pelo apóstolo Pedro e onde ele foi martirizado. O primado do Papa é de jurisdição e não apenas honorífico por comportar uma real autoridade no governo de toda a Igreja, como direito e dever oriundos de Jesus Cristo. 

  
Como instituição viva e contemporânea, fundada por Jesus Cristo, a Igreja católica aparece, desde a sua origem, não só como Igreja Episcopal, mas também como Igreja Papal.

  
O primado confere o poder e o direito de reger a Igreja de Deus. O Papa é o supremo legislador, juiz e administrador da Igreja universal. O Papa recém eleito recebe, diretamente de Deus, jurisdição e poderes.
Para o Papa não existe sagração ou ordenação especial. A sagração de Bispo é o supremo grau das ordenações. O primado outorga ao Papa uma jurisdição verdadeiramente episcopal sobre a Igreja inteira.